5 de abril de 2010

Receita para um Dançarino

Dum antigo livro de culinária que encontrei num alfarrabista da rua da Portas de Santo Antão retirei uma curiosa receita:

Receita para um dançarino de sucesso

Escolhe-se um jovem tenro e bem proporcionado, sem manchas nem sinais de deterioração.
Polvilha-se com pó de narciso, de ambos os lados, até ficar bem coberto todo em volta.
Vai a cozinhar em molho de treino, lenta e suavemente até ficar bem apurado. Se for preciso, ir adicionando mais molho.
Nunca acompanhar com arroz ou batata frita – seleccionar uma dançarina de dimensões e formas compatíveis, preparada segundo a mesma receita, e dispor harmoniosamente o conjunto no meio do prato.
Enfeitar com confit de lantejoula, e servir rodeado de muitas palmas.

Notas – Diversos cozinheiros usam receitas um pouco diferentes, mas os resultados não são tão bons.
Alguns não seleccionam o dançarino, cozinhando a eito. O resultado é um prato do tipo farta-brutos, sem apresentação nem harmonia. Há, até, quem tente cozinhar dançarinos muito maduros; é tempo perdido – aguentam os primeiros calores, mas a maioria, mal atinge o chamado ponto Open, desfaz-se rapidamente.
Outros cortam no pó de narciso. Não é um desastre, mas nunca se obtém a textura delicada e fofa que só o narciso assegura.
Há ainda quem poupe no molho de treino – resulta num prato deslavado, sensaborão, quase cozinha de tropa.
O único ingrediente eventualmente dispensável é o confit de lantejoula, pelo que é geralmente usado apenas na alta cozinha.
Não negligenciar o acompanhamento de palmas – um par de dançarinos, sozinho no meio do prato, é uma imagem desoladora, que não prestigia nem gratifica o trabalho do cozinheiro.


Mais "molho" em receita

4 comentários:

rodrigo disse...

Parabéns pela receita!!!
É bem verdade!, a receita tem k ser feita conforme esta explicada, por que se ñ o resultado ñ é lá muito saboroso. Eu próprio já tentei cozinhar a receita, mas sem ter seleccionado uma dançarina de dimensões e formas compatíveis, e o resultado final foi um pouco amargo!

Élia disse...

Muitos Parabéns ao Sr. Avelino pelo seu enorme contributo. Acabo de ler as suas notas soltas e não posso deixar de enaltecer todo o seu trabalho.

Falando de RECEITAS PARA UM DANÇARINO tenho alguns comentários a tecer, que podem ou não concordar.


Quando falamos de um par de dançarinos, para mim torna-se necessário que estes dois individuos estejam conscientes que o sucesso do par seja fruto de um trabalho por parte dos dois. É necessário que estejam os dois a trabalhar para o sucesso, isto é, que detectem os erros mais evidentes durante o minuto e meio de cada dança de campeonato, e que duante os treinos se dediquem a elimina-los, sem que para isso haja, (intrigas e cosquices, que para mim SÓ QUEM PERDE É O PAR ou seja OS DOIS INDIVIDUOS QUE O INTEGRAM) é lógico que para isso é necessário diálogo conjunto entre PAR E PROFESSORES para que estes possam ajudar a rectificar o erro desse passo e NUNCA ESQUECENDO QUE É INSIGNIFICANTE DE QUEM É A MAIOR CULPA, PORQUE SE QUEREMOS QUE ISTO RESULTE,É SEMPRE MEIA CULPA. O IMPORTANTE NÃO É ENCONTRAR CULPADOS MEUS AMIGOS O IMPORTANTE É RESOLVER AS SITUAÇÕES, PORQUE CASO CONTRÁRIO NUNCA DE PASSA DA CEPA TORTA. :)

Rodri como tua amiga e acredita que o sou, fiquei triste pelo teu comentário. Eu até pensei em não comentar aqui nada sobre tal facto, mas como eu me expresso melhor a escrever do que a falar e até acho que posso contribuir para o teu enriquecimento pessoal.


Um par significa que duas pessoas com dois feitios completamente diferentes tenham ou devam trabalhar para o mesmo objectivo.

É lógico que existem divergências e acredita que estas são saudaveis e construtivas, mas para isso é necessário que dois elementos estejam conscientes de que somente o diálogo é que os vai levar a bom porto.

Élia disse...

No teu caso, acredita que a receita não falhou na escolha da dançarina. Porque para mim a vossa imagem fisica fica muito bem, O QUE NÃO FICOU MUITO BEM E QU EU VI O FIM DA VOSSA PARCERIA FOI QUANDO NESTE VOSSO ULTIMO CAMPEONATO VOS VEJO EM PISTA, NÃO A COMPETIR COM OUTROS PARES, MAS VOCÊS OS DOIS A TENTAR PROVAR QUAL ERA O MELHOR DANÇARINO. "Isto é uma opinião pessoal formada por mim enquanto apreciadora de dança."

A culpa não é da dançarina, nem do dançarino, É SEMPRE MEIA CULPA.

Sou tua amiga e digo-te que nós enriquecemo-nos intelectualmente com as experiências que temos ao longo da vida, e por isso é que estou a tecer este comentário, para que tu reflitas bem, e interiorizes todos os acontecimentos, e tal como na dança não deixes que os mesmos erros se repitam.

Todos nós amadurecemos, e para mim o par em si tem que amadurecer e para mim essa é a explicação das distinções entre INICIADOS, INTERMÉDIOS E OPEN.

Somos adultos e ainda competimos a dançar, com as bases do curso que tirei Gestão de Empresas, deixo aqui um conselho a todos os dançarinos.

A receita é muito boa, mas para mim é perfeição demais, não estou a por em causa o seu sucesso, contudo a dança para mim claro (OPINIÃO PESSOAl) o sucesso do par depende do facto de os dois elementos olharem juntos na mesma direcção.

Se há treinos marcados e o tempo que se gasta a fazer bem é o mesmo que se gasta a faze-lo mal. ENTÃO PORQUE NÃO FAZE-LO DA MANEIRA MAIS EFICAZ QUE GARANTA UMA MAIOR PROBABILIDADE DE SUCESSO.

O treino tem que ser bem gerido e nele devem ser detectados e falados entre o par todos os atritos, porque são estes que contribuem para o mau desempenho do par. DEtectados os problemas, surge o 2 passo encontrar solução para eles e para isso é necessário ajuda e podem contar com os Professores. que vos ajudarão na sua resolução.

NUNCA SE DEVE VER O PARCEIRO COMO UM CONCORRENTE, ISSO É AUTO DESTRUIÇÃO.

UM PAR é uma parceria ambos têm de caminhar numa mesma direcção, com feitios diferentes, e como me disse o sr. Avelino há uns meses, temos de aprender a lidar com o feitio dos outros.

Por isso falem, dectem os erros mas não percam tempo a encontrar culpados, MAS SIM UMA SOLUÇÃO.


Infelizmente as más linguas existem e estas poderão dizer, a moça está ali com tanto paleio e ela até já nem é dançarina, Sim não estou a dançar, mas tenho saudades, e um dia destes volto.

O facto de já ter dançado, e ter mudado de posição, permitiu-me apreciar o quanto tempo perdi com coisas sem jeito nenhum, e permitiu-me amadurecer de certa forma. E sim tenho imensas saudades e penso será que se voltar a competir tenho a capacidade de por o meu parlapier em prática. eheh.

Não deixem que as intrigas de par, vos faça esquecer o imenso prazer que têm em dançar.

Disfrutem da dança e amadureçam com ela

rodrigo disse...

Bom pelos visto, a forma como escrevi o comentário, leva a algumas interpretações erradas!
Quando eu digo; "Eu próprio já tentei cozinhar a receita, mas sem ter seleccionado uma dançarina de dimensões e formas compatíveis, e o resultado final foi um pouco amargo!" NÃO ME ESTOU A REFERIR EM ESPECIAL A NENHUMA DAS DANÇARINAS COM QUEM JÁ DANÇEI! MUITO MENOS A ESTE ULTIMO PAR QUE TIVE, PORQUE SE REPARAREM NA DATA, JÁ ESCREVI ESTE COMENTÁRIO À ALGUM TEMPO. EM RELAÇÃO Á FRASE QUE CITEI ALI EM CIMA, EU COM ESSA FRASE SÓ QUERO TENTAR DIZER, UMA COISA! É QUE SE TANTO O DANÇARINO COMO A DANÇARINA, NÃO ESTIVEREM A TRABALHAR OS DOIS PARA OS MESMOS OBJECTIVOS, A RECEITA Ñ SAI NADA BOA! e pronto é só isto a que eu refiro com aquela frase, porque eu não estou a falar de especto físico, nem de outras coisas, só me refiro mesmo, aos objectivos que se tem na dança! Da próxima, vou ler melhor os comentários que faço, porque já me chegam as más interpretações que fazem de certas coisas que se passam... porque o português por norma tem memória curta, é como se costuma dizer "comeu, cag.. e esqueceu" o que vale é k nem todos são assim.